BLOG

28 palavras curitibanas para saber antes de visitar Curitiba

Conheça Curitiba

Quem já veio pra Curitiba ou já conversou com alguém daqui, certamente já ouviu algumas palavras curitibanas que não são muito conhecidas. Já deve ter ouvido por aí um “tesão, piá” ou foi convidado pra tomar uma “bera”. As expressões típicas da capital paranaense fazem parte de sua identidade e fortalecem o sentimento de carinho por quem é daqui ou de turistas que vem pra conhecer a cidade.

A seguir você confere uma lista de palavras e bordões tipicamente curitibanas. Se você é daqui, com certeza vai se identificar com todos. Se não, não desista – ou, como diria alguém da capital paranaense, não “largue os bets”: todos eles estão traduzidos.

Jardim Botânico

28 palavras Curitibanas

Adevogado:  O correto mesmo é advogado, mas em Curitiba a pronúncia é assim mesmo, como se houvesse uma vogal entre o “d” e o “v”. Faz parte do sotaque curitibano.

Apurado: Quando alguém está com pressa, mas é usado principalmente quando alguém está apertado para ir ao banheiro.

Bera: Apelido carinhoso dos curitibanos para cerveja.

Bolacha: É como chamamos qualquer tipo de biscoito, seja ele recheado, de água e sal ou de maisena. Biscoito em Curitiba é feito de polvilho.

Busão: É o bom e velho ônibus. Dentro dessa categoria, temos o bi-articulado, famoso “vermelhão” e também chamado carinhosamente de “berticulado” pelos curitibanos, e o ligeirinho; ambos param nas estações-tubo da cidade.

Capaz: A expressão existe em outras cidades, mas aqui pode ter inúmeros significados, como “o quê?”, “não acredito!”, “até parece”, etc.

Chineque: Pãozinho doce de padaria coberto com creme de baunilha e farofa. É uma delícia!

Cozido: Não tem nada a ver com alimento. Chamamos assim quando alguém está bêbado.

Curitiboca: É a pessoa nascida e criada em Curitiba, mas que não esbanja muita simpatia.

Daí: Utilizado para começar ou terminar qualquer frase, é uma das expressões mais frequentes no vocabulário curitibano. “Você foi lá, daí?” ou “Daí, piá. Beleza?”

Dolangue: Significa mentira, conversa fiada.

Djanho: Geralmente é utilizado para representar descontentamento com algo ou alguém. “Aquele piá do djanho”.

Geladinho: Conhecido em outras regiões como sacolé, é o refresco congelado em saquinhos plásticos cilíndricos.

Guria: É a mesma coisa que garota ou menina. Quando alguém fala “guria do céu” ou “guriaaaa” (estendido mesmo), é porque o assunto é sério!

Jacu: Pessoa tosca, sem noção ou pessoa tímida demais.

Japona: É a peça de roupa que todo curitibano tem em casa para se proteger do frio. Em outras palavras, é uma jaqueta de náilon acolchoada.

Palha: Quando algo é ridículo, patético. “Esse negócio é muito palha.”.

Pani: Ou “panificadora”, é a mesma coisa que padaria.

Penal: Estojo escolar para guardar lápis e canetas.

Piá: Usado para se referir a um garoto, adolescente ou entre amigos do sexo masculino. Quando usado na expressão “piá de prédio”, a intenção é pejorativa; significa que o indivíduo é mimado.

Pila: É como os curitibanos se referem a dinheiro. “Piá, me empresta cinco pila para eu pegar o busão?”

Pinhão: Símbolo do inverno paranaense, o pinhão é a semente da araucária, pinheiro típico do estado. Os curitibanos se orgulham em explicar o que é e como se come.

Posar: Quando alguém te convida pra “posar”, ela está te convidando pra dormir na casa dela.

Rollmops: Originalmente alemão, o “romópis” como é conhecido, é uma iguaria que quase todo curitibano vira a cara quando ouve falar. A conserva de sardinha crua enrolada na cebola é tão famosa que ganhou até campeonato de quem come mais.

Sinal: Ou sinaleiro é como são chamados os semáforos de trânsito.

SotaquE: O “e” no final das palavras ganha ênfase na fala curitibana. Peça pra um curitibano falar “leitE quentE da dor dE dentE” e você vai entender perfeitamente.

Tesão: É sem malícia, viu? A palavra é utilizada para enfatizar algo que é muito bacana. Não se espante em ouvir um “que tesão, piá!” de um curitibano.

Vina: Em Curitiba não existe cachorro-quente com salsicha. É vina!

 

Data: 06/08/2018

Fonte: Gazeta do Povo.