BLOG

Conheça a história do nome dos bairros de Curitiba

Conheça Curitiba


Portal Italiano (2)
Portal de Santa Felicidade

Alto da Glória, Água Verde, Umbará, Xaxim, Bigorrilho, Prado Velho… Desde 1975, quando foi feita a última divisão de bairros da cidade, Curitiba é formada por 75 bairros (que, por sua vez, se dividem em centnenas de vilas, jardins e moradias). Mas afinal, quem deu nome aos bairros de Curitiba? E quais os critérios que avalizaram as escolhas?

Alguns nomes, é verdade, são autoexplicativos, como Alto da Rua XV, Bairro Alto (localizado em uma das partes mais elevadas da cidade) e Centro Cívico (“Centro cidadão”, na concepção de Alfred Agache, autor do Plano Urbano de Curitiba nos anos 1940).

Outros homenageiam figuras ilustres que fazem parte da história da cidade. O Abranches, por exemplo, homenageia o ex-presidente da Província do Paraná que, em 1873, deu consentimento para que imigrantes poloneses ocupassem a região. Já os bairros Hauer e Fanny fazem referência ao imigrante alemão Roberto Hauer e sua esposa, que eram proprietários de uma área de 500 alqueires, a qual ia do Rio Belém quase ao novo Mundo. Com o falecimento de Roberto, os herdeiros repartiram a terra e a lotearam. Um dos terrenos recebeu o nome de Bairro Hauer e outro, de Vila Fanny.

E temos ainda os bairros cujos nomes são ligados à religião, à fé. Ao todo, são três bairros em referência à santas (Cândida, Felicidade e Quitéria) e seis em referência à santos (Inácio, Braz, Francisco, João, Lourenço e Miguel).

Essa breve exposição, contudo, não explica o nome dos bairros citados na abertura desta reportagem. E algumas histórias valem a pena de serem contadas.

O Alto da Glória, por exemplo, muitos acreditam ter alguma relação com o Coritiba e o seu estádio, o Couto Pereira. Ledo engano. O bairro, fundado pelo Barão de Holleben, por volta de 1856, ganhou esse nome graças à Capelinha de Nossa Senhora da Glória, construída pelos primeiros moradores do bairro, pertencentes à família Leão. Anos depois, os padres redentoristas ganharam dos Leão esse santuário e substituíram a imagem da padroeira da região pela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Outra historia sobre o bairro, relatada pelo historia Francisco Negrão, é que tal denominação teria sido inspirada na propriedade do Dr. José Maria Pinheiro Lima, conhecida como “Chácara Nhá Laura” ou “Chácara da Glória”, localizada nas proximidades do atual Passeio Público e do Colégio Estadual do Paraná.

Outra curiosa polêmica envolve o Bigorrilho. Há quem diga que o nome seria uma homenagem a uma cigana benzedeira que morava na região, enquanto outros defendem que a homenageada, na verdade, seria referente a uma prostitura de nome Bigorrilha, muito valente e proprietária de um bordel que levava seu nome. A linguagem cotidiana dos moradores teria “masculinizado” o termo, surgindo daí o nome Bigorrilho. Já Evaristo Biscaia, em seu livro “Coisas da Cidade”, defende que antigamente o bairro era conhecido “Bairro dos Italianos”, tornando-se depois Bigorrilho em virtude de morar ali um rutena (ucraniana) de nome Bigorela.

‘Petit Batel’ reacende polêmica
Bigorrilho ou Chapagnat? Mossunguê ou Ecoville? Há alguns anos, discussões sobre nomes mais ‘comerciais’ para os bairros ganharam força em Curitiba, especialmente após empresários começarem a criar denominações próprias para polos gastronômicos e de serviços. Alguns exemplos famosos são o Cabral Soho, nas proximidades da Avenida Paraná; o Arte Cívico, nas próximidades do MON; e o Jardins, na região da Rua Itupava próxima ao Jardim Ambiental.

E recentemente, o assunto voltou à pauta após mais uma iniciativa de empresários da região do Batel que, inspirados no bairro londrino de Notting Hill, estão propondo a criação de um nanobairro dentro do Batel, chamado de Petit Batel. A ideia, que já contaria com o apoio do prefeito de Curitiba, é transformar o espaço numa área de “conveniência, gastronomia e entretenimento para os curitibanos e turistas”. O novo bairro ficaria entre as ruas Presidente Taunay, Coronel Dulcídio, Dom Pedro II e Gutemberg.

Capão dos Porcos e Morro do Querosene

Você sabe onde fica o Capão dos Porcos ou o Morro do Querosene? Pois estes já foram os nomes daqueles que são hoje dois dos bairros mais populosos de Curitiba: Pinheirinho e Jardim Social.

No caso do bairro Pinheirinho, o nome “Capão dos Porcos” se devia ao fato de a região, no passado, ter sido formada por várias fazendas de gado, resultando numa grande presença de porcos, que passavam todos os dias pela atual via rápida, antigamente rua Olho D’água. A Avenida Winston Churchill, sua principal via de acesso, era conhecida como “Carrerão dos Pretos”.

Já no caso do Jardim Social, o apelido “Morro do Querosene” teria sido cunhado nas primeiras décadas do século XIX. Com a elitização do bairro, eque sempre se caracterizou por ser uma zona estritamente residencial, o nome antigo foi sendo esquecido e hoje a maior parte das pessoas conhece o local como Jardim Social.

Conheça as mais curiosas origensdos nomes dos bairros curitibanos
– Água Verde
As algas que formavam massas verdes e davam uma coloração esverdeada à água doce, levaram os antigos moradores da região a batizar o rio que cortava suas fazendas e chácaras com o nome de “Água Verde”. O rio Água Verde, que nasce e cruza toda a extensão do bairro, até desaguar nas águas do Rio Belém, no Prado Velho, foi a fonte inspiradora para o nome do bairro. Hoje, este rio esta canalizado e corre em boa parte no subterrâneo.

– Batel
Existem duas versões para a origem do nome do bairro: a primeira, atendendo à tradição popular, está ligada ao fato de residir, no local, uma família conhecida por Batel. A outra, remonta aos tempos das tradicionais cheganças (festas religiosas), onde, na ocasião, teria naufragado um batel (pequena embarcação) vindo de São José dos Pinhais.

– Fazendinha
Refere-se a uma trilha, muito utilizada, que unia a estrada de São José à dos Campos Gerais e facilitava a trajetória do gado e das tropas que, naquela época, desciam para o litoral, vindos dos campos gerais. Ao chegarem em Curitiba, as tropas serviam-se do caminho de São José do Arraial para prosseguirem viagem. A trilha citada era então chamada de “Atalho da Fazendinha” ou do “Rodeio”, por fazer a ligação entre o Campo Comprido e o Portão, reduzindo em algumas léguas a viagem.

– Portão
Os conflitos entre lavradores e tropeiros pelos campos de criação de gado acabaram determinando caminhos e o surgimento de cercas e portões. A passagem e o comércio de animais procedentes de Curitiba e dos Campos Gerais levou à instalação de um posto de fiscalização na região, que deu origem ao nome do bairro: Portão.

– Prado Velho

A palavra prado significa lugar planol, campina ou planícia. Antigamente, a região era conhecida como Prado Curitibanos, já que era pr ali que ocorriam as corridas de cavalo, no antigo hipódromo da cidade. Em 1955, contudo, fora inaugurado o Hipódromo do Tarumã e as atividades se mudaram para lá. Assim, a região antes denominada “Prado” acabou se transformando no “Prado Velho” já que o “Prado Novo” estava no tarumã.

– Umbará
O nome Umbará surgiu em consequência da constituição argilosa do solo da região que, em tempos de chuva, formava grande quantidade de barro nos caminhos: “um bará”, ou seja, um barro só, segundo a tradição oral do povo.

– Xaxim
Na divisa entre o povoado que vivia na atual Rua Francisco Derosso e a fazenda Boqueirão existia uma porteira cujo batedor era um Xaxim, o que, associado ao fato de as terras serem demarcadas com valas plantadas de Xaxim, determinou o nome que o bairro conserva até hoje.

Santa Felicidade 
Apesar da forte tradição italiana, o nome do bairro homenageia uma portuguesa: Dona Felicidade Borges, antiga proprietária de terras na região e que teria doado parte de suas posses para imigrantes italianos, no século XIX.

– Jardim das Américas 
O bairro deve seu nome à intenção dos vereadores municipais de homenagear as três partes do nosso continente: América do Norte, América Central e América do Sul.

Fonte: Bem Paraná